quarta-feira, 25 de janeiro de 2012

Um caso de amor


Um caso de amor
caso de amor

A medicina é como um filho, dá muito trabalho, te suplica por atenção em tempo integral e exige de você disciplina, educação, renúncia, além de bastante paciência. E não se iluda achando que uma hora tudo isso vai passar, pois à medida em que o filho cresce o trabalho também aumenta, e você vai se tornando cada dia mais rigoroso consigo mesmo. O lado bom é que como todo filho a medicina te proporciona momentos de extrema felicidade, orgulho, prazer e satisfação, afinal é um filho que te dá sentido nessa existência e um papel a exercer nesse mundo.

É também como um casamento, em que há momentos difíceis, delicados, de desespero, às vezes você precisa de um tempo para colocar as ideias no lugar, às vezes se sente sufocado pela relação tão intensa e castradora. Imagino que as crises existam, mas ainda que você olhe para os lados e enxergue as outras (profissões), nenhuma delas é capaz de te encantar como a sua, nenhuma consegue te preenche como ela o faz, e por isso a todo momento você tem a certeza de que foram feitos um para o outro, ela é seu verdadeiro amor, a medicina.

É isso, pode parecer doentio, eu sei, mas o amor é um sentimento controverso, é incondicional na sua essência, é capaz de superar todas as dificuldades e lidar com todas as intempéries. O amor não se explica, se sente, já diria o poeta. Ninguém deixa de amar um filho por ele ser rebelde, ninguém se afasta de uma mãe por ela roubar-lhe muito do seu tempo, nem deixa de amar alguém simplesmente porque se machuca e sente dor. A medicina, antes de tudo, é um caso de amor.

De fato não é uma carreira fácil, mas o amor pela profissão nos proporciona a força que precisamos pra seguir adiante e contornar os obstáculos - que não são poucos - e assim aprendemos a lidar com o inevitável lado ruim de nossas escolhas, com as privações, renúncias, com o estresse e com toda a sobrecarga que pode vir junto a esse caminho que optamos percorrer.

Não vou dizer que é fácil, mas se você me perguntar se é bom eu digo que é a melhor coisa que fiz na vida. Eu seria capaz de fazer tudo novamente, de enfrentar todos os monstros, lidar com todas as perdas e escalar todas as montanhas outra vez só pra ter todos os desafios que tenho hoje. A medicina não é fácil, mas é extremamente gratificante viver diariamente com ela. Assim eu sou feliz.


[Mente Hiperativa]

2 comentários:

  1. Nossa e como dá trabalho, hehehe... Concordo que, se pudesse, com certeza, a gente faria tudo de novo! A analogia do filho é sensacional! Parabéns! Vou copiar para meu blog, com autorização, claro. ;)

    ResponderExcluir
  2. Ah, demais, adorei! Esse filho deve dar muito trabalho com certeza, mas deve ser de um orgulho pra ti, que com certeza também é um ótimo pai. Hhahahaha :p

    Abraço, Senna.

    ResponderExcluir

Deixe sua opinião: